2, 3 e 4 de julho

Conversas nos olhos
CINEMA E CONVERSA
Miguel Munhá
2 de julho Jardim das Gerações, Espinhal I 21h30

Duração aprox.: 55 min, M/12

Moderação de Renato Barroso

BUÔN - 10 ‘
BUÔN é uma exposição de pensamento, desejo de viajar e conhecer um mundo para além das paredes de uma cidade que nos encerra social, mental, física, psíquica, política e individualmente nos seus projetos, recantos e arquiteturas. 

PRODUCÃO: Vagalume Filmes & Welket Bungué REALIZAÇÃO E DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA: Miguel Munhá EDIÇÃO: Elisabete Mendes DIREÇÃO DE PROJETO/FILME: Welket Bungué ELENCO: Welket Bungué, Silvana Pinto, Vítor Oeiras Silva TRILHA SONORA: Mistah Isaac DIREÇÃO DE SOM: Júlio Pereira DIREÇÃO DE ARTE: Beatriz Realista ASSISTENTE DE ARTE: Catarina Rodolfo MAKING OF: Rui Palma SEGUNDO CÂMARA: Nuno Rocha AGRADECIMENTOS ESPECIAIS: Restaurante Lisboa Cheia de Graça, Bruno Goldy, Vítor Oeiras Silva 
FESTIVAIS: Estreia Mundial - Festival Internacional de Cinema de AVANCA 2015 (Pt) FUSO Anual de Video Arte Internacional de Lisboa 2015 (Portugal) São Tomé Fest Film 2015 (São Tomé) Shortcutz Lisboa (2016) Shortcutz Viseu (2016) Seleção Oficial - KOVA M Festival 2017 (Pt) KUGOMA Mozambique Film Forum 2019 - Official Selection (August 2019) II Mostra Itinerante de Cinemas Negros - Mohamed Bamba (Bahia, BRAZIL) - Official Selection 14th CineBH International Film Festival | MOSTRA Welket Bungué (Brazil, Oct. 2020)

 

HEI-DE MORRER ONDE NASCI - 20‘
Dois irmãos naturais dos Hangares lutam por sonhos diferentes. Um, pescador, quer viver e morrer na sua ilha; o outro, ir para Lisboa e ser ator.

JANECA: Duarte Gomes MARINHO: João Tempera RAPOSEIRA: José Sabino NÉLSON: João Evaristo MARÍLIO: José Lézinho CARLA: Tânia Silva FILHA: Adélia AVÓ: Judite Silva AMIGA JANECA: Filipa Sousa PRODUTORES: Ana Sofia Nunes and Miguel Munhá CHEFES DE PRODUÇÃO: Ana Sofia Nunes and Patrícia Soares DIRETORES DE PRODUÇÃO: Duarte Gomes and Mike Santos REALIZAÇÃO E ARGUMENTO: Miguel Munhá DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA: Nuno Alexandre Rocha COORDENAÇÃO DE CÂMARA E OPERAÇÃO DE STEADICAM: Samuel Tavares DIREÇÃO DE ATORES: Tobias Monteiro ASSISTENTE DE PRODUÇÃO: Rómulo Silvestre DIREÇÃO DE ARTE: Ana Marta Pereira MAQUILHAGEM E CABELOS: Raquel Guimarães DIRETOR DE SOM: Júlio Pereira SOUND DESIGN E MISTURA: António Porém Pires FOLEY: Filipe Chagas BANDA SONORA ORIGINAL: Diogo de Almeida Ribeiro EDIÇÃO: Miguel Munhá and Nuno Alexandre Rocha DESIGN: Ana Nunes PRODUTORES EXECUTIVOS The Indigent Studios, João Rodrigues, Clarence Brown, Paulo Lacerda and Steadisam PARCEIROS Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Planar, Câmara Municipal de Olhão, Vagalume Filmes, Duplacena, Eva Transportes APOIO LOCAL Snackbar João Farol, Café Rui, Associações Farol, Hangares e Culatra, Mar de Santa Maria, À do João, SOS Ria Formosa, O Franguinho
FESTIVAIS: South Texas International Film Festival (2017) Hong Kong Arthouse Film Festival (2017) Caminhos do Cinema Português (2017) Festival de Cinema de Avanca (2017) Pentedatillo Film Festival (2017) Festival Internacional de Cinema dos Açores (2018)
 

ENCONTREI O PARAÍSO MAS JÁ NÃO ME LEMBRO BEM DO CAMINHO - 5’
Filmado em Super8 "Encontrei o Paraíso, mas já não me lembro bem do caminho" é um diário visual sobre uma viagem à Chapada Diamantina. Depois de um período de trabalho numa metrópole como São Paulo, e de vivenciar à distância uma situação familiar delicada, o contraste com a natureza deslumbrante daquela zona verdejante da Bahia revelou-se catalisadora.
REALIZAÇÃO E EDIÇÃO: Miguel Munhá

Tertúlia de Cante Alentejano
MÚSICA
Celina da Piedade
3 de julho Casa Família Oliveira Guimarães (ar livre), Espinhal I 18h30
4 de julho na orla da aldeia, Chanca* I 18h30

Duração aprox.: 60 min, todos os públicos
 

O Cante Alentejano é uma prática vocal polifónica do sul de Portugal, reconhecida como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2014.

Sempre serviu como veículo de expressão a uma forte consciência social. Ao mesmo tempo trata-se de uma prática que, pelo seu carácter colectivo e voluntário, ajuda a manter acesa, dentro das comunidades em que está inserido, a noção de que a coesão (de todas as vozes) é essencial à manutenção do tecido social! 

Celina da Piedade é música e investigadora. Tem dedicado muito do seu trabalho à investigação e divulgação do património musical alentejano.

Nesta tertúlia irá dar a conhecer algumas das muitas “modas” que constituem o cancioneiro alentejano, mostrar as principais características musicais e poéticas desta prática vocal e acima de tudo fazer com que todos experimentem com as suas vozes, unidas, a força do Cante! 

* em Chanca, espetáculo de acesso condicionado, não aconselhado a pessoas com mobilidade reduzida