27, 28 e 29 de agosto

Conversas nos olhos
CINEMA E CONVERSA
Tiago Hespanha
27 de agosto Jardim das Gerações, Espinhal I 21h30

M/12

Moderação de Abílio Hernandez

Campo
Documentário / HD / 100’ / 2019

A palavra ‘campo’ vem do latim capere (capturar). Na Antiguidade, nos arredores de Roma ficava o ‘Campo de Marte’, o terreno onde se treinavam os soldados. Hoje, nos arredores de Lisboa, fica a maior base militar da Europa. Neste campo, militares treinam missões fictícias, enquanto astrónomos observam estrelas e um rapaz toca piano para veados selvagens que espreitam à noite. Aqui vi a vida manifestar-se nas suas dimensões mais contraditórias e misteriosas. CAMPO reflecte sobre a natureza das coisas, físicas e humanas, transcendentes e mundanas, que aqui se confundem e completam.
REALIZAÇÃO Tiago Hespanha DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Tiago Hespanha, Rui Xavier, Luísa Homem, Cláudia Varejão, Paulo Menezes SOM Eva Boliño, Adriana Bolito, Giorgio Gristina, Tiago Melo Bento MONTAGEM Francisco Moreira, Tiago Hespanha EDIÇÃO E MISTURA DE SOM Alejandro Castillo, Eva Valino CORREÇÃO DE COR Paulo Américo DIREÇÃO DE PRODUÇÃO Joana Bravo, João Gusmão PRODUTORES João Matos, Leonor Noivo, Luísa Homem, Susana Nobre, Tiago Hespanha PRODUÇÃO Terratreme Filmes Prémio Cinelab Work in Progress - First Look - Locarno’18, Prémio Melhor Realizador para Longa Metragem Portuguesa - IndieLisboa'19, Prémio María Pitta - Cormorán Film Fest'19

J.Reis 5’22’’ / 2020
A convite da Companhia da Chanca, Tiago Hespanha veio até Penela em 2020 para criar curtos vídeos em comércios locais. Eis o que surgiu da visita à casa de ferragens J.Reis no centro urbano de Penela. A infinitude de produtos metodicamente organizados. A sabedoria num conselho. O orgulho no que se conseguiu construir. Por mais que o corpo já se canse de por ali estar, sempre a aguardar o próximo pedido, a simpatia de quem recebe é tão ou mais importante que o dinheiro na caixa ao fim do dia. Tudo com um jardim cheio de histórias logo na entrada. Mais em... 
REALIZAÇÃO: Tiago Hespanha PRODUÇÃO: Companhia da Chanca

Espinhal, uma vila sonora
OFICINA DE GRAVAÇÃO SONORA DE CAMPO
28 de agosto, 10h12h e 14h-16h I Casa família Oliveira Guimarães, Espinhal
Chanca, uma aldeia sonora
OFICINA DE GRAVAÇÃO SONORA DE CAMPO
29 de agosto, 10h12h e 14h-16h I Chanca

A partir de um workshop, procurar-se-á gravar para memória futura as paisagens e marcos sonoros da vila do Espinhal e da aldeia de Chanca, a partir dos sons do quotidiano, mas igualmente a sua relação com a memória colectiva (e individual) dos lugares. 

Os sons da geofonia (natureza), mas também os sons do social (dos habitantes), a partir do património material e imaterial dos lugares serão alvo de gravação e edição. A partir desta prática artística e do seu resultado sonoro, apresenta-se depois um Concerto para Olhos Vendados, quer como parte da materialização do processo de residência (a outra parte será a edição online de todo o arquivo), quer como elemento de ligação à comunidade e ao contributo dado por esta. 

 

 

Concerto para Olhos Vendados
MÚSICA
Luís Antero
28 de agosto Casa Família Oliveira Guimarães (ar livre), Espinhal* I 18h30
29 de agosto na orla da aldeia, Chanca I 18h30
 

Duração: 60 min, todos os públicos

Que importância tem o som no nosso dia-a-dia? Continua a ser, como preconizado por Murray Schafer nos idos de 1970 do século passado, o mais negligenciado elemento da nossa paisagem? Não será́ o som também caracterizador da identidade das nossas aldeias, vilas e cidades? Qual será́, por exemplo, o som produzido por formigas em contacto com um microfone? E o dos veados na sua brama sazonal? E o dos moinhos e rodas de água, misturado com as histórias de vida de pastores e agricultores de mãos calejadas pelo tempo? É na tentativa de resposta a estas questões que surge o conceito Concerto Para Olhos Vendados, partindo da premissa de que muitas vezes paramos para ver, mas raramente o fazemos para ouvir! 
O público é convidado a vendar os olhos, deixando que outros sentidos se despertem... 

* no Espinhal, espetáculo de acesso condicionado, não aconselhado a pessoas com mobilidade reduzida