10, 18 e 19 de setembro

Conversas nos Olhos
CINEMA E CONVERSA
Rafael Almeida
10 de setembro Jardim das Gerações, Espinhal I 21h30

Duração aprox.: 55 min, M/16

Moderação de Renato Barroso

Que é Feito dos Dias na Cave, 14'44''
A tentativa de fuga de um jovem paciente pelos corredores labirínticos de um hospital psiquiátrico remoto. Marco tem de ultrapassar vários obstáculos, incluindo os seus fantasmas internos que o confundem e lhe perturbam os sentidos. Ele quer escapar, do asilo e de si próprio.

FESTIVAIS Short Film Corner do Festival de Cannes, 2016, selecionado para a competição de Melhor Filme Português, da 36ª edição do Fantasporto; Festival Internacional de Cinema do Porto e nomeado para o Prémio Sophia Estudante de Melhor Filme de Ficção, pela Academia Portuguesa de Cinema, 2015
 

Descobrindo a Variável Perfeita, 15'
Depois de uma separação, um jovem adulto ainda apaixonado descobre a lacuna da sua existência. Se conseguir encontrar o argumentista do filme, pode alterar o desenlace da discussão e remendar o momento que arruinou a sua vida.

FESTIVAIS estreia em Cinemax Curtas, da RTP2, Festival Caminhos do Cinema Português, Coimbra, Short Film Corner do Festival de Cannes, 3 nomeações para os prémios CinEuphoria.
 

Igor, 9'09''
Igor acorda numa sala escura. Perdido e confuso, ele simplesmente não sabe como foi parar àquele lugar. A única coisa que ele vê na sala é um conjunto de três portais, posicionados um ao lado do outro. Cada portal guiá-lo-á a um destino, mas apenas um o conduzirá à verdade, sobre o que aconteceu com ele. Qual será a escolha de Igor?

Canções Ibéricas, Histórias de teatro, música e resistência
MÚSICA
Companhia da Chanca 
18 de setembro Casa Família Oliveira Guimarães (ar livre), Espinhal I 18h30
19 de setembro na orla da aldeia, Chanca* I 18h30
 

Duração 50 min, todos os públicos

O reportório é de dois compositores da Península Ibérica, dois homens do teatro e da música: José e Federico revisitaram a música tradicional dos seus países e com ela a identidade cultural dos povos à luz das suas sensibilidades, em diálogo com os seus respetivos contextos político e social. André e Catarina seguem as suas melodias e poemas, arranjam-nas, reinterpretam-nas e fundem a sua própria história com estes ecos da história recente: como quando se conheceram e iniciaram a parceria artística há mais de 20 anos nos ensaios do espetáculo “Fernão, mentes?” com músicas de José Afonso e Fausto ou quando partilharam este património com o resto da Europa com o projeto luso-belga, “Ursoluso, ceci n’est pas du fado” ou mesmo quando criam a Companhia da Chanca com a mesma preocupação de Lorca quando inicia o projeto La Barraca, levar a arte e a cultura a territórios rurais mais esquecidos.

CANÇÕES: Federico Garcia Lorca, José Afonso e música tradicional ibérica PIANO, ARRANJOS E DIREÇÃO MUSICAL: André Louro VOZ: Catarina Santana

Mais em...

* em Chanca, espetáculo de acesso condicionado, não aconselhado a pessoas com mobilidade reduzida